Câmara Municipal de São Paulo
Palácio Anchieta - Viaduto Jacareí, 100

11º Andar - Sala 1112 - CEP 01319-900
Tels.: (11) 3396-4264 / 4001 / 4002 / 4003

São Paulo - SP

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
1024px-WhatsApp_logo-color-vertical.svg_

Canudos de plástico poderão sair de circulação em estabelecimentos comerciais

23/04/2019

Vereadores de São Paulo aprovaram projeto que proíbe o fornecimento do material

 

 

Aprovado na tarde de ontem (17/4), no Plenário da Câmara Municipal de São Paulo, o Projeto de Lei 99/2018 que tem o vereador Arselino Tatto como um dos coautores. O PL trata da proibição do fornecimento de canudos de plásticos em hotéis, restaurantes, bares, padaria, clubes noturnos, salões de danças, eventos musicais, entre outros estabelecimentos comerciais.

 

A medida acompanha uma tendência mundial de incentivo à população para diminuição do consumo de plástico que, por questões diversas, como o descarte irregular, são encontrados nos oceanos. Uma pesquisa publicada pela revista Science, em 2015, apontou que a humanidade gera um total de 275 milhões de toneladas de resíduos plásticos por ano, um valor entre 4,8 milhões e 12,7 milhões de toneladas chega aos oceanos.

 

 “Acredito que demos um passo importante no que diz respeito à contribuição para preservação ambiental. Os canudos de plástico não são os únicos vilões dessa história, mas contribuem muito para a poluição dos oceanos, por isso a proposta teve o meu apoio.

 

Devemos continuar essa discussão e repensar o consumo de plásticos de um modo geral” enfatizou o vereador Arselino Tatto que é coautor do projeto.

 

Além de proibir o uso do material, a proposta determina que os canudos possam ser substituídos por modelos em papel reciclável, material comestível ou biodegradável.

 

As penalidades previstas para quem desobedecer a legislação vão desde autuação, advertência, intimação para cessar a irregularidade até multas que chegam a R$ 8 mil reais, conforme reincidência, além de fechamento administrativo do estabelecimento.

 

Vale lembrar que o projeto foi aprovado pelos vereadores da Câmara Municipal e depende ainda de sanção do Prefeito para entrar em vigor.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload