Vereador Arselino Tatto denuncia evento com Presidente Bolsonaro realizado em São Paulo

O parlamentar apresentou uma representação no Ministério Público para apurar possível crime de improbidade administrativa


O passeio de moto ocorrido em São Paulo no sábado (12/6) organizado por apoiadores do Presidente Bolsonaro virou caso de representação no Ministério Público.


O vereador Arselino Tatto (PT) pediu ao órgão para investigar a destinação de recursos públicos no valor de R$ 75.243,17 (setenta e cinco mil, duzentos e quarenta e três reais e dezessete centavos) da Prefeitura de São Paulo ao referido evento.


A denúncia está fundamentada no despacho publicado no Diário Oficial da Cidade, no dia 11 de junho de 2021, assinado pelo secretário municipal de Esporte e Lazer, autorizando a contratação direta por dispensa de licitação da empresa São Paulo Turismo para, entre outras coisas, instalar gradis objetivando-se a realização do evento denominado "Carreata Acelera para Cristo com Bolsonaro".

"É um absurdo que a Prefeitura esteja gastando com esse tipo de atividade que gera aglomeração e consequentemente a proliferação do Coronavírus. Vou entrar com uma representação no Ministério Público para que seja apurado possível crime de improbidade administrativa do Prefeito", declarou o vereador Arselino Tatto (PT).


A "motociata" em apoio ao Presidente gerou aglomeração pelas ruas da cidade, além do comportamento inadequado do Presidente que tirou fotos e abraçou várias pessoas sem usar máscara, contrariando todas as orientações dos órgãos de saúde.


Arselino Tatto ironizou ao afirmar que a carreata "Acelera para Cristo" deveria se chamar "Acelera para o vírus" tamanha a irresponsabilidade do Presidente Bolsonaro diante do evento inapropriado. Ele lembrou que o estado de São Paulo sofre mais uma vez com os hospitais à beira de um novo colapso, em decorrência da alta taxa de internações de pacientes com Covid-19.


Confira aqui o conteúdo da Representação protocolada no Ministério Público no dia 14 de junho.